PESQUISA PERSONALIZADA

Slides das aulas de História da Educação I e II - Curso de Pedagogia da FGG/ACE

Pesquise temas do blog aqui:

Carregando...

7 de ago de 2013

Linha do Tempo da História da Educação no Brasil

Ementa da Disciplina de História da Educação II - Curso de Pedagogia da FGG/ACE

Nome e código do componente curricular:

História da Educação II

Semestre:


Carga horária:

36h/a

Modalidade

Disciplina
Função:

Básica
Natureza:

Obrigatória
Pré-requisito



EMENTA

Estudo analítico do processo educativo, com ênfase nas sociedades modernas e contemporâneas. Destaque às organizações educacionais, às perspectivas pedagógicas e às práticas educacionais, explicitando-as em sua relação com os diversos contextos históricos e sociais.


OBJETIVOS

Capacitar o acadêmico a compreender a historicidade própria das instituições pedagógicas, com ênfase nas relações entre práticas escolares e acervo de conhecimento, escolarização e processos sociais.


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Os Grandes Marcos da época Contemporânea;
Tendência Psicológica; Tendência Tecnológica; Tendência Sociológica.
As principais transformações sociais  e econômicas na segunda metade do século XIX e a educação / Anarquismo e Educação / Os anos 20 e o movimento de “renovação” educacional / A Revolução de 30 e a educação: principais iniciativas governamentais Educação e confronto político nos anos 30 / O manifesto dos Pioneiros da Ed. Nova;
A Companhia de Jesus e a Coroa portuguesa / A crise da sociedade ocidental (1914-1945) e as novas perspectivas educacionais: escovalismo, Dewey, Montessori, Makarenko, Vygostky, Neil, Piaget, Freinet, Skinner, etc;/ A crise da sociedade ocidental e o Brasil: a “Era Vargas” e a organização do sistema educacional;
•  “Século de Ouro” e o racionalismo clássico: Descartes e a pedagogia da inteligência; A ilustração como projeto educacional ;/Tradição e inovação na educação do século XIX;
Alguns dilemas da educação contemporânea; A educação do mundo atual.
Estratégias: Debates;Seminários; Dramatizações;Trabalhos em grupo;
•  Produção de textos; Filmes; Livros e apostilas;

AVALIAÇÃO

Prova escrita e avaliação dos trabalhos de leituras e participação nos debates;
Trabalhos de pesquisa; Assiduidade;
Considerar: - Aproveitamento: Dar realce aos aspectos qualitativos da produção, teste e produção de textos. Apresentação das aulas de simulação. (individual ou em grupo); - Participação: relacionada à execução das tarefas propostas, à comunicação em sala de aula em cada encontro extra-classe; - Freqüência: e pontualidade às aulas e a realização das tarefas nas datas previstas. Organização do material recebido;


REFERÊNCIAS BÁSICAS

CAMBI, Franco. História da Pedagogia. São Paulo: UNESP, 1999.
GADOTTI, Moacir. História das Idéias Pedagógicas. Série Educação. 8ª ed.São Paulo:  Ática, 2001
LIMA, Lauro de Oliveira. Estórias da educação no Brasil: De Pombal a Passarinho. 2ª ed. ª ed. Rio de Janeiro: Editora Brasília.


REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES

AZEVEDO, Janete M. L. de. A Educação como política Pública. Campinas: Autores associados, 1997.
BRANDÃO, Zaia (org). A Crise dos Paradigmas e a Educação. São Paulo:Cortez, 1996. (Col. Questões da Nossa Época; v.35)
DIEHL, Astor Antonio. Cultura Historiográfica Brasileira: década de 1930 aos anos 1970. Passo Fundo: UPF Editora, 1999.
ENGUITA, Mariano F. A face Oculta da Escola: Educação e tranalho no Capitalismo. (Trad. Tomaz Tadeu da Silva). Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.
FRIGOTTO, Gaudêncio. Cidadania e Formação Técnico-Profissional: desafios neste fim de século. IN; SILVA, Luiz Heron (org) Novos Mapas Culturais, Novas Perspectivas Educacionais. Porto Alegre: Sulina, 1996.
MANACORDA, Mário A. Marx e a pedagogia moderna. São Paulo: Cortez, 1991.
MANACORDA, Mário A. História da Educação: da Antigüidade aos nossos dias. 7 ed. São Paulo, Cortez, 1999.
SACRISTAN, J. Gimeno. Compreender e Transformar o Ensino. 4 ed. Artes Médicas, 1998.

16 de out de 2012

Trabalho de História da Educação II 2ª Parte


Trabalho de História da Educação II 2ª Parte

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO – ACE
FACULDADES GUILHERME GUIMBALA – FGG
CURSO DE PEDAGOGIA – 2º PERÍODO
DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO II
PROFESSOR: JORGE SCHEMES


TRABALHO DE PESQUISA – 2ª Parte


Requisito 01:
O trabalho é individual e deve ser manuscrito.

Referência Bibliográfica para Pesquisa:
CAMBI, Franco. História daPedagogia. São Paulo; UNESP, 1999, págs. 85 a 192.

1. Quais foram os impactos da cultura helenística em Roma e o que mudou na pedagogia? 
2. Defina as características da “humanitas” (Paidéia) para os seguintes filósofos: a) Cícero. b) Varrão. c) Quintiliano. d) Epicteto. e) Sêneca. f) Marco Aurélio.
3. Quanto aos graus, quais as características da escola em Roma?
4. Quanto às classes sociais, como estava dividida a escola em Roma?
5. Descreva como foi a relação de poder entre a cultura pagã e a cultura cristã, e como isso afetou a educação.
6. Descreva a nova Paidéia Cristã e como era o seu currículo.
7. Defina como era a nova Paidéia Cristã dos seguintes filósofos: a) Tertuliano. b) Clemente e Orígenes. c) Padres Capadócios. d) Jerônimo.
8. Descreva as características do Monasticismo como uma escola a serviço de Deus.
9. Quais papéis a cultura cristã atribuiu à família, à mulher e à infância?
10. Descreva a pedagogia de Santo Agostinho.
11. Qual o modelo da escola na Idade Média e o que mudou hoje?
12. Qual a concepção de Homem e de mundo no período medieval e como isso afetou a educação Ocidental?
13. Quais as características da educação na Alta Idade Média?
14. Quais as características da Baixa Idade Média e suas implicações na educação?
15. Descreva os principais efeitos históricos e filosóficos da Idade Média para a época Moderna.
16. O que foi a Escolástica?
17. Sintetize o pensamento dos seguintes filósofos: a) Abelardo. b) Hugo de Saint-Victor. c) Tomás de Aquino. d) Boaventura de Bagnoregio. e) Francisco Petrarca. f) Dante Alighieri.
18. Assista o filme: “Lutero” e faça um breve relatório, destacando aspectos relacionados ao contexto cultural e educacional da época.
19. Assista o filme: “Marco Polo”, ou o filme: “Em Nome de Deus” (Heloísa e Abelardo) e faça um breve relatório, destacando aspectos relacionados ao contexto cultural e educacional da época.

Requisito 02:
O trabalho deve ser entregue até a penúltima aula do Bimestre, em mãos, em sala de aula para o professor. Após a data estabelecida o trabalho não será mais aceito.

 Avaliação:
O trabalho completo valerá 20 pontos.


7 de ago de 2012

Trabalho de História da Educação II 1ª Parte


ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO – ACE
FACULDADES GUILHERME GUIMBALA – FGG
CURSO DE PEDAGOGIA – 2º PERÍODO
DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO II
PROFESSOR: JORGE SCHEMES


TRABALHO DE PESQUISA – 1ª Parte


Requisito 01:
O trabalho é individual e deve ser manuscrito.

Referência Bibliográfica para Pesquisa:
CAMBI, Franco. História da Pedagogia. São Paulo; UNESP, 1999, págs. 85 a 191.

1. Qual é a definição de Paidéia? Descreva como se deu o nascimento da Paidéia.
2. Descreva como era a atividade educativa dos Sofistas.
3. Descreva a Paidéia de Sócrates.
4. Descreva a Paidéia de Platão.
5. Descreva a Paidéia de Isócrates.
6. Descreva a Paidéia de Aristóteles.
7. Descreva a Paidéia de Xenofonte.
8. Descreva as características do Helenismo.
9. Descreva a Paidéia de Luciano.
10. Descreva a Paidéia de Plutarco.
11. Descreva a Paidéia de Sexto Empírico.
12. Quais as características dos Thyasos Gregos?
13. Quais as características das escolas dos Sofistas?
14. Quais as características da Escola Estatal na Pólis (Esparta e Atenas)?
15. Quais as características da Academia?
16. Quais as características do Liceu?
17. Quais as características da época helenística e como estava dividida a educação?
18. Descreva os três aspectos que pesaram, de modo particular, sobre a Tradição Educativa Ocidental.
19. Assista o filme: “Alexandre” e faça um breve relatório, destacando aspectos relacionados ao contexto cultural e educacional da época.
20. Assista o filme: “Gladiador” e faça um breve relatório, destacando aspectos relacionados ao contexto cultural e educacional da época.

Requisito 02:
O trabalho deve ser entregue até a penúltima aula do Bimestre, em mãos, em sala de aula para o professor. Após a data estabelecida o trabalho não será mais aceito.


Avaliação:
O trabalho completo valerá 20 pontos.

10 de fev de 2012

Ementa da Disciplina de História da Educação - FGG/ACE - Curso de Pedagogia.


FACULDADE GUILHERME GUIMBALA – FGG/ACE - PEDAGOGIA
Nome do componente curricular:

História da Educação I
Semestre:

1°
Carga horária:

36 h/a


Modalidade:

Disciplina Presencial
Função:

Básica
Natureza:

Obrigatória
Professor:

Jorge Schemes

EMENTA:

Concepções e objetivos da História da Educação. Inter-relações da História da Educação e sua importância para compreensão da realidade educacional contemporânea. A história das ideias pedagógicas nos diferentes tempos históricos e suas implicações para a pedagogia hoje. As práticas educativas nas sociedades antigas, medievais, modernas e contemporâneas.


OBJETIVOS:

- Estabelecer relações entre características relevantes da Pedagogia no decorrer dos diferentes tempos históricos e as práticas atuais.
- Proporcionar aos acadêmicos um estudo teórico, que possibilite a compreensão da História da Educação, relacionando-a com o modo de organização da sociedade onde vivemos.
- Discutir as diferentes teorias e práticas pedagógicas no decorrer da história, estimulando um pensamento pós-crítico em relação a educação.
- Refletir a escola como espaço de inclusão e de compromisso com a socialização do conhecimento.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

- A educação na antiguidade grega: processos, práticas e saberes educativos da sociedade e cultura grega.
- Os ideais pedagógicos da Paideia e da Humanitas.
- Da educação dos Sofistas a Sócrates, Platão e Aristóteles.
- A educação no período helenístico.
- A educação na antiguidade romana: práticas e saberes educativos.
- Processos, práticas e saberes educativos da sociedade medieval.
- A transmissão da cultura: da Grécia antiga à Idade Média.
- Os grandes educadores da Idade Média.
- A educação no período do Renascimento.
- O Humanismo e a Reforma protestante.
- A Contra-Reforma e a educação Católica.
- O Iluminismo e a Idade Moderna: a pedagogia Realista.
- História da escolarização nas sociedades modernas do ocidente.
- O Século das Luzes: o ideal liberal da educação iluminista.
- Aspectos da educação moderna, pós-moderna e contemporânea.


METODOLOGIA:

- Aulas expositivas e dialogadas.
- Trabalhos individuais, em duplas ou em equipes.
- Seminário, debates e discussões.
- Utilização das Tecnologias da Comunicação e Informação (TICs).
- Leituras e pesquisas.
- Questionários, sínteses e resumos.

AVALIAÇÃO:

- Assiduidade, pontualidade e participação em classe.
- Trabalhos escritos.
- Apresentação e socialização de trabalhos.
- Relatórios, leituras e pesquisas.
- Participação nas atividades de sala.
- Prova escrita.


REFERÊNCIAS BÁSICAS:

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da Educação. São Paulo: Moderna, 1996.

GADOTTI, Moacir. História das Idéias Pedagógicas. São Paulo: Ática, 2004.



REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES:

LOMBARDI, José Claudinei (Org.). Pesquisa em educação: história, filosofia e temas transversais. Campinas: Autores Associados, 1999.

LUZURIAGA, Lorenzo. História da educação e da pedagogia. 12a ed. São Paulo: Nacional, 1999.

MANACORDA, Mário. A História da Educação: da antiguidade aos nossos dias. 7a ed. São Paulo, 1999.

4 de mar de 2011

Texto para Atividade: Resumo Sobre Alguns Aspectos da História da Educação


DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE:

1. Leitura individual do texto: "Resumo Sobre a História da Educação".
2. Atividade em dupla ou individual - Procedimentos:
2.1 Elaborar um caderno com a "linha do tempo" sobre os aspectos mencionados no texto.
2.2 Utilizar gravuras e ilustrações para cada período da linha do tempo (mínimo duas).
2.3 Pesquisar mais informações para complementar os aspectos mencionados no texto.
2.4 Acrescentar essas informações na linha do tempo especificando melhor cada período (pesquisar em pelo menos mais três fontes ou referências).
2.5 Mencionar todas as fontes e/ou referências pesquisadas dentro da Metodologia Científica.
2.6 Selecionar um aspecto ou período da linha do tempo para ser socializado em sala de aula.
2.7 Preparar uma apresentação oral sobre o período escolhido justificando sua relevância para a educação hodierna.
2.8 Entrega da atividade até a data especificada valendo 20 (Vinte) pontos.

RESUMO SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

Pedagogia é a teoria crítica da educação, isto é, da ação do homem quando transmite ou modifica a herança cultural. A educação não é um fenômeno neutro, mas sofre os efeitos da ideologia, por estar de fato envolvida na política.

1. Sociedades Tribais: A Educação Difusa.

Nas comunidades tribais as crianças aprendem imitando os gestos dos adultos nas atividades diárias e nas cerimônias dos rituais. As crianças aprendem "para a vida e por meio da vida", sem que alguém esteja especialmente destinado a tarefa de ensinar.

2. Antiguidade Oriental: A Educação Tradicionalista.

Nas sociedades orientais, ao se criarem segmentos privilegiados, a população, composta por lavradores, comerciantes e artesãos, não tem direitos políticos nem acesso ao saber da classe dominante. A princípio o conhecimento da escrita é bastante restrito, devido ao seu caráter sagrado e esotérico. Tem início, então, o dualismo escolar, que destina um tipo de ensino para o povo e outro para os filhos dos funcionários. A grande massa é excluída da escola e restringida à educação familiar informal.

3. Antiguidade Grega: A Paidéia.

A Grécia Clássica pode ser considerada o berço da pedagogia. A palavra paidagogos significa aquele que conduz a criança, no caso o escravo que acompanha a criança à escola. Com o tempo, o sentido se amplia para designar toda a teoria da educação. De modo geral, a educação grega está constantemente centrada na formação integral – corpo e espírito – mesmo que, de fato, a ênfase se deslocasse ora mais para o preparo esportivo ora para o debate intelectual, conforme a época ou lugar. Nos primeiro tempos, quando não existia a escrita, a educação é ministrada pela própria família, conforme a tradição religiosa. Apenas com o advento das póleis começam a aparecer as primeiras escolas, visando a atender a demanda.

4. Antiguidade Romana: A Humanitas.

De maneira geral, podemos distinguir três fases na educação romana: a latina original, de natureza patriarcal; depois, a influência do helenismo é criticada pelos defensores da tradição; por fim, dá-se a fusão entre a cultura romana e a helenística, que já supõe elementos orientas, mas nítida supremacia dos valores gregos.


5. Idade Média: A Formação do Homem de Fé.

Os parâmetros da educação na idade média se fundam na concepção do homem como criatura divina, de passagem pela Terra e que deve cuidar, em primeiro lugar, da salvação da alma e da vida eterna. Tendo em vista as possíveis contradições entre fé e razão, recomenda-se respeitar sempre o princípio da autoridade, que exige humildade para consultar os grandes sábios e intérpretes, autorizados pela igreja, sobre a leitura dos clássicos e dos textos sagrados. Evita-se, assim, a pluralidade de interpretações e se mantém a coesão da igreja. Predomina a visão teocêntrica, a de Deus como fundamento de toda a ação pedagógica e finalidade da formação do cristão. Quanto às técnicas de ensinar, a maneira de pensar rigorosa e formal cada vez mais determina os passos do trabalho escolar.

6. Renascimento: Humanismo e Reforma.

Educar torna-se questão de moda e uma exigência, segundo a nova concepção de homem. O aparecimento dos colégios, do século XVI até o XVIII, é fenômeno correlato ao surgimento de uma nova imagem da infância e da família. A meta da escola não se restringe à transmissão de conhecimentos, mas a formação moral. Essa sociedade, embora rejeite a autoridade dogmática da cultura eclesiástica medieval, mantém-se ainda fortemente hierarquizada: exclui dos propósitos educacionais a grande massa popular, com exceção dos reformadores protestantes, que agem por interesses religiosos.


7. Brasil: Início da Colonização e Catequese - Os Jesuítas.

A atividade missionária dos Jesuítas facilita sobremaneira a dominação metropolitana e, nessas circunstâncias, a educação assume papel de agente colonizador.

8. Idade Moderna: A Pedagogia Realista.

De maneira geral as escolas continuam ministrando um ensino conservador, predominantemente nas mãos dos jesuítas. Além disso, é preciso reconhecer, está nascendo a escola tradicional, como passaremos a conhecê-la a partir do século XIX.


9. O Brasil do Séc. XVII:

Por se tratar de uma sociedade agrária e escravista, não há interesse pela educação elementar, daí a grande massa de iletrados.


10. Século das Luzes: O Ideal liberal de Educação.

O iluminismo é um período muito rico em reflexões pedagógicas. Um de seus aspectos marcantes está na pedagogia política, centrada no esforço para tornar a escola leiga e função do Estado. Apesar dos projetos de estender a educação a todos os cidadãos, prevalece a diferença de ensino, ou seja, uma escola para o povo e outra para a burguesia. Essa dualidade era aceita com grande tranquilidade, sem o temor de ferir o preceito de igualdade, tão caro aos ideais revolucionários. Afinal, para a doutrina liberal, o talento e a capacidade não são iguais, e portanto os homens não são iguais em riqueza.


11. O Brasil na Era Pombalina:

Persiste o panorama do analfabetismo e do ensino precário, agravado com a expulsão dos jesuítas e pela democracia da reforma pombalina. A educação está a deriva. Durante esse longo período do Brasil colônia, aumenta o fosso entre os letrados e a maioria da população analfabeta.


12. Século XIX: A Educação Nacional.

É no séc. XIX que se concretizam, com a intervenção cada vez maior do Estado para estabelecer a escola elementar universal, leiga, gratuita e obrigatória. Enfatiza-se a relação entre educação e bem-estar social, estabilidade, progresso e capacidade de transformação. Daí, o interesse pelo ensino técnico ou pela expansão das disciplinas científicas.


12.1 Alguns dos Principais Pedagogos:

Pestalozzi – é considerado um dos defensores da escola popular extensiva a todos. Reconhece firmemente a função social do ensino, que não se acha restrito à formação do gentil-homem.

Froebel – privilegia a atividade lúdica por perceber o significado funcional do jogo e do brinquedo para o desenvolvimento sensório-motor e inventa métodos para aperfeiçoar as habilidades.

Herbart – segundo ele, a conduta pedagógica segue três procedimentos básicos: o governo, a instrução e a disciplina.


13. Brasil: A Educação no Império.

Ainda não há propriamente o que poderia ser chamada de uma pedagogia brasileira. É uma atuação irregular, fragmentária e quase nunca com resultados satisfatórios. O golpe de misericórdia que prejudicou de uma vez a educação brasileira vem de uma emenda à Constituição, o Ato adicional de 1834. Essa reforma descentraliza o ensino, atribuindo à Coroa a função de promover e regulamentar o ensino superior, enquanto que as províncias são destinadas a escola elementar e a secundária. A educação da elite fica a cargo do poder central e a do povo confinada às províncias.


14. Século XX: A Educação Para a Democracia.

A pedagogia do século XX, além de ser tributária da psicologia, da sociologia e de outras como a economia, a linguística, a antropologia, tem acentuado a exigência que vem desde a Idade moderna, qual seja, a inclusão da cultura científica como parte do conteúdo a ser ensinado.


14.1 Sociologia: E. Durkheim.

Antes dele a teoria da educação era feita de forma predominantemente intelectualista, por demais presa a uma visão filosófica idealista e individualista. Durkheim introduz a atitude descritiva, voltada para o exame dos elementos do fato da educação, aos quais aplica o método científico.


14.2 Psicologia: Behaviorismo.

O método dessa corrente privilegia os procedimentos que levam em conta a exterioridade do comportamento, o único considerado capaz de ser submetido a controle e experimentação objetivos. Suas experiências são ampliadas e aplicadas nos EUA por Watson e posteriormente por Skinner. O behaviorismo está nos pressupostos da orientação tecnicista da educação.


14.3 Gestalt:

As aplicações das descobertas gestaltistas na educação são importantes por recusar o exercício mecânico no processo de aprendizagem. Apenas as situações que ocasionam experiências ricas e variadas levam o sujeito ao amadurecimento e à emergência do insight.

14.4 J. Dewey: A Escola Progressiva.

O fim da educação não é formar a criança de acordo com modelos, nem orientá-la para uma ação futura, mas dar-lhe condições para que resolva por si própria os seus problemas. A educação progressiva consiste justamente no crescimento constante da vida, à medida que aumentamos o conteúdo da experiência e o controle que exercemos sobre ela. Ao contrário da educação tradicional, que valoriza a obediência, John Dewey estimula o espírito de iniciativa e independência, que leva à autonomia e ao autogoverno, virtudes de uma sociedade democrática.

15. Principais Características da Escola Nova:

educação integral (intelectual, moral, física); educação ativa; educação prática, sendo obrigatórios os trabalhos manuais; exercícios de autonomia; vida no campo; internato; co-educação; ensino individualizado. Para tanto as atividades são centradas nos alunos, tendo em vista a estimulação da iniciativa. Escolas de métodos ativos: Montessori e Decroly Montessori estimula a atividade livre concentrada, com base no princípio da auto-educação. Decroly observa, de maneira pertinente, que, enquanto o adulto é capaz de analisar, separar o todo em partes, a criança tende para as representações globais, de conjunto. Resta lembrar outros riscos dessa proposta: o puerilismo ou pedocentrismo supervaloriza a criança e minimiza o papel do professor, quase omisso nas formas mais radicais do não-diretivismo; a preocupação excessiva com o psicológico intensifica o individualismo; a oposição ao autoritarismo da escola tradicional resulta em ausência de disciplina; a ênfase no processo faz descuidar da transmissão do conteúdo.

15.1 Teoria Socialista – Gramsci: A educação proposta por ele está centrada no valor do trabalho e na tarefa de superar as dicotomias existentes entre o fazer e o pensar, entre cultura erudita e cultura popular. Teorias crítico-reprodutivistas Por diversos caminhos chegaram a seguinte conclusão: a escola está de tal forma condicionada pela sociedade dividida que, ao invés de democratizar, reproduz as diferenças sociais, perpetuando o status quo.

15.2 Teorias Progressistas – Snyders: Contra as pedagogias não-diretivas, defende o papel do professor, a quem atribui uma função política. Condena a proposta de desescolarização de Ivan Illich. Ressalta o caráter contraditório da escola, que pode desenvolver a contra-educação.

15.3 Teorias Antiautoritárias – Carl Rogers: Visam antes de tudo colocar o aluno como centro do processo educativo, como sujeito, livrando-o do papel controlador do professor. O professor deve acompanhar o aluno sem dirigi-lo, o que significa dar condições para que ele desenvolva sua experiência e se estruture, por conta própria. O principal representante dessa teoria é Carl Rogers. Segundo ele, a própria relação entre as pessoas é que promove o crescimento de cada uma, ou seja, o ato educativo é essencialmente relacional e não individual.


16. Escola Tecnicista:

Proposta consiste em: planejamento e organização racional da atividade pedagógica; operacionalização dos objetivos; parcelamento do trabalho, com especialização das funções; ensino por computador, telensino, procurando tornar a aprendizagem mais objetiva.

17. Teorias Construtivistas:

17.1 Piaget: segundo ele, à medida que a influência do meio altera o equilíbrio, a inteligência, que exerce função adaptativa por excelência, restabelece a auto-regulação.

17.2 Vygotsky: Ao analisar os fenômenos da linguagem e do pensamento, busca compreendê-los dentro do processo sócio-histórico como "internalização das atividades socialmente enraizadas e historicamente desenvolvidas". Portanto, a relação entre o sujeito que conhece e o mundo conhecido não é direta, mas se faz por mediação dos sistemas simbólicos.

18. Brasil no Século XX: O Desafio da Educação.

Nesse contexto, os educadores da escola nova introduzem o pensamento liberal democrático, defendendo a escola pública para todos, a fim de se alcançar uma sociedade igualitária e sem privilégios. Podemos dizer que Paulo Freire é um dos grandes pedagogos da atualidade, não só no Brasil, mas também no mundo. Ele se embasa em uma teologia libertadora, preocupada com o contraste entre a pobreza e a riqueza que resulta privilégios. Em sua obra Pedagogia do Oprimido faz uma abordagem dialética da realidade, cujos determinantes se encontram nos fatores econômicos, políticos e sociais. Considera que o conhecer não pode ser um ato de "doação" do educador ao educando, mas um processo que se estabelece no contato do homem com o mundo vivido. E este não é estático, mas dinâmico, em contínua transformação. Na educação autêntica, é superada a relação vertical entre educador e educando e instaurada a relação dialógica. Paulo Freire defende a autogestão pedagógica, o professor é um animador do processo, evitando as formas de autoritarismo que costumam minar a relação pedagógica. Na década de 70 destaca-se a produção teórica dos críticos-reprodutivistas, que desfazem as ilusões da escola como veículo da democratização. Com a difusão dessas teorias no Brasil, diversos autores se empenham em fazer a reeleitura do nosso fracasso escolar. A tarefa da pedagogia histórico-crítica se insere na tentativa de reverter o quadro de desorganização que torna uma escola excludente, com altos índices de analfabetismo, evasão, repetência e, portanto, de seletividade. Para Saviani, tanto as pedagogias tradicionais como a escola nova e a pedagogia tecnicista são, portanto, não-críticas, no sentido de não perceberem o comprometimento político e ideológico que a escola sempre teve com a classe dominante. Já a partir de 70, começam a ser discutidos os determinantes sociais, isto é, a maneira pela qual a estrutura sócio-econômica condiciona a educação. O trunfo de se tornar um dos países mais ricos contrasta com o fato de ser um triste recordista em concentração de renda, com efeitos sociais perversos: conflitos com os sem-terra, os sem-teto, infância abandonada, morticínio nas prisões, nos campos, nos grandes centros. Persiste na educação uma grande defasagem entre o Brasil e os países desenvolvidos, porque a população não recebeu até agora um ensino fundamental de qualidade.


19. A Educação no Terceiro Milênio:

A explosão dos negócios mundiais, acompanhada pelo avanço tecnológico da crescente robotização e automação das empresas, nos faz antever profundas modificações no trabalho e, consequentemente, na educação. Na tentativa de incorporar os novos recursos, no entanto, a escola nem sempre tem obtido sucesso porque, muitas vezes, apenas adquire as novas máquinas sem, no entanto, conseguir alterar a tradição das aulas acadêmicas. Diante das transformações vertiginosas da alta tecnologia, que muda em pouco tempo os produtos e a maneira de produzi-los, criando umas profissões e extinguindo outras. Daí a necessidade de uma educação permanente, que permita a continuidade dos estudos, e portanto de acesso às informações, mediante uma auto-formação controlada.

[Bibliografia: ARANHA, Maria Lúcia Arruda - Autor do Texto:  Valdivino Alves de Sousa - Fonte: Artigos.com]

4 de fev de 2011

História da Educação: Período Contemporâneo - Educação Contemporânea


Educação Contemporânea

No século XX surgiram vários movimentos, experiências e teorias educacionais destinadas a renovar os métodos da escola tradicional. Assim, a herança dos conhecimentos pedagógicos do século XIX permitiu que se chegasse no século XX a um conceito bem mais pragmático da educação.

A Nova Escola e a Escola Ativa

A chamada "escola nova" abarcou várias correntes pedagógicas. Reagindo contra a organização tradicional do ensino em compartimentos estanques, o médico e educador belga Ovide Decroly criou o método globalizador, que se concentrava no princípio do interesse da criança. Já o francês Célestin Freinet valorizou o ensino baseado em métodos ativos e no trabalho de equipe como meio de formação do educando, centralizando as atividades escolares em torno do uso da imprensa na escola.
A partir do princípio de que o ensino simultâneo não levava em conta as diversas aptidões e tipos de inteligência dos alunos, procurou-se estabelecer a "diferenciação pedagógica" em graus e ciclos sucessivos, da qual já se havia cogitado anteriormente. Nesse sentido, o psicólogo suíço Edouard Claparède, que deu a seu método a denominação de "educação funcional", criou o "sistema de grupos móveis". Desse sistema, a pedagogia passou à individualização do aprendizado, no que sobressaiu o trabalho da italiana Maria Montessori, baseado no princípio da auto-educação. Na América Latina, Lorenzo Luzuriaga, Lourenço Filho e Anísio Teixeira foram os grandes pedagogos da escola ativa.

Educação em Liberdade
O inglês Alexander S. Neill, em sua escola de Summerhill, pôs em prática a educação em liberdade. Aboliu a hierarquia professor-aluno e, portanto, a relação de autoridade na experiência pedagógica, encaminhando a criança à auto-educação, de acordo com seu ritmo individual de desenvolvimento.
O suíço Jean Piaget destacou-se entre os educadores que preconizaram o respeito à liberdade e à individualidade da criança, defendendo um sistema educativo menos diretivo, menos autoritário e uniforme. Piaget procurou demonstrar que a educação devia ajustar-se às leis e etapas do desenvolvimento psicológico da criança.

Educação Socialista
Só no século XX foi elaborada uma doutrina marxista para a educação. A maior figura da pedagogia marxista foi o soviético Anton Semenovitch Makarenko, que criou as "escolas da comunidade". Outros pensadores de orientação marxista, como o francês Louis Althusser, analisaram o papel da escola tradicional que, ao inculcar no educando o sistema de valores das classes sociais dominantes, seria responsável pela perpetuação das desigualdades sociais.
Na União Soviética, após a morte de Stalin, em 1953, as mudanças na política oficial afetaram diretamente a escola. A idéia central passou a ser o estreitamento dos laços entre a escola e a vida, em todos os níveis. Reviveu a idéia da educação politécnica, mas no sentido de preparar estudantes secundários para o trabalho especializado na indústria e na agricultura. Essa orientação, que vigorou no período do governo de Nikita Khrutchev, foi substituída por uma política de universalização da educação secundária, com ênfase na criação de escolas secundárias técnicas. No entanto, os ganhos quantitativos dessa política não tiveram correspondência na melhoria da qualidade de ensino.
Na China, desde a revolução comunista até à morte de Mao Zedong (Mao Tsé-tung), em 1976, a educação teve como tônica a doutrinação ideológica em todos os campos e níveis, que ocupou, por lei, dez por cento do currículo escolar. O novo governo deslocou a ênfase para a modernização, principal bandeira do regime pós-Mao. Todo o esforço educacional passou a ser dirigido no sentido das "quatro modernizações" (indústria, agricultura, defesa nacional e ciência e tecnologia).

Educação Liberadora
Para o brasileiro Paulo Freire o objetivo da educação deveria ser a liberação do oprimido, que lhe daria meios de transformar a realidade social a sua volta mediante a "conscientização" (conhecimento crítico do mundo). No período 1958-1964 no Brasil e depois de 1964 no Chile, Paulo Freire pôs em prática, com bons resultados, seu método de alfabetização de adultos. A eficácia e a validade do método estribam-se no fato de partir da realidade do alfabetizando, do seu universo, do valor pragmático das coisas e fatos de sua vida cotidiana, de suas situações existenciais. Obedece às normas metodológicas e lingüísticas, mas vai além delas, ao desafiar o homem ou a mulher que se alfabetizam a se apropriarem do código escrito com vistas a sua politização. O trabalho de Paulo Freire pode ser visto não apenas como um método de alfabetização, mas como um processo de conscientização, por levar em conta a natureza política da educação.[Fonte: Estudante de Filosofia]

História da Educação: Período Contemporâneo - Educação Numa Sociedade Sem Escolas


Educação Numa Sociedade Sem Escolas

O austríaco Ivan Illich, que passou a trabalhar no México a partir de 1962, propôs a desescolarização da sociedade. Segundo ele, a maior parte dos conhecimentos úteis se aprendiam fora da escola, em contato com as realidades familiares, sociopolíticas e culturais. Abolido o "monopólio" dispendioso e irracional do ensino público, deveria ser instalado um sistema educativo capaz de assegurar simplesmente a quantos desejassem instruir-se, em qualquer assunto, o acesso aos conhecimentos adequados. De "funil" seletivo e autoritário, o sistema educacional passaria a ser uma igualitária "rede de intercâmbio" entre espíritos curiosos, libertos de toda autoridade docente. Só uma renovação total das instituições educativas, segundo Illich, propiciaria a esperada mudança social.

Educação Permanente

Em 1965 a UNESCO passou a usar o termo "educação permanente" para designar a educação contínua, planejada para cobrir todo o ciclo da existência humana. Diferencia-se do conceito tradicional de educação, dado que este sempre se compreendeu como processo de integração social e cultural a consumar-se durante parte da vida, ou seja, durante o transcurso da infância e da adolescência. A educação permanente constitui, portanto, um conceito novo, uma tendência da educação contemporânea, e não um ramo especial da educação. Figura ao lado de outros que o complementam, oferecendo-lhe meios de realização, como por exemplo, o de educação extra-escolar ou paralela. Esta engloba todas as formas assistemáticas de educação, como: educação de rua, educação familiar, educação de grupos etc. Atinge, assim, a sociedade inteira.
Os jovens podem ampliar sua formação cultural e profissional com programas especiais desenvolvidos pelos centros docentes. A formação de adultos pode variar desde a necessidade de alfabetização até os cursos de reciclagem profissional. A educação permanente de adultos tende a apoiar-se no desenvolvimento de sistemas de auto-aprendizagem e nos métodos de treinamento para a formação ou reciclagem de profissionais que devem adaptar-se às mudanças de uma sociedade submetida a constantes avanços científicos e tecnológicos.

Educação e Tecnologia
Todas as correntes citadas abordaram, sob ângulos diversos, os problemas gerados pelo desenvolvimento tecnológico no âmbito da educação. As novas situações criadas pela sociedade pós-industrial, o avanço contínuo da informática e dos meios de comunicação e a complexidade crescente dos novos conhecimentos e técnicas acentuaram o conflito entre dois tipos de orientação educacional: a educação científica e a humanista. Além disso, a desigualdade econômica entre as nações industrializadas e os países subdesenvolvidos constituiu um obstáculo a um planejamento global da educação, que sempre foi reflexo das condições socioeconômicas.
Todavia, a educação no século XX procurou assumir um caráter internacional. Em 1919, surgiu o Bureau International des Écoles Nouvelles (Escritório Internacional das Escolas Novas). Expandiram-se os centros de estudos de âmbito internacional; sucederam-se os congressos, assembléias e simpósios sobre educação; lançaram-se várias publicações especializadas na matéria.
No século XX, entre as organizações internacionais existentes, destacaram-se duas: o Bureau International d'Éducation (Escritório Internacional de Educação), em Genebra, e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), fundada em 1946, voltada para educação, ciências exatas e naturais, ciências sociais, atividades culturais, assistência técnica, intercâmbio de pessoas e informação. A UNESCO procurou dar ênfase à luta contra o analfabetismo, à educação dos adultos, bem como à "educação permanente", já que as mudanças se processavam com grande rapidez, exigindo, portanto, uma constante atualização de métodos e programas educacionais. [Fonte: Estudante de Filosofia]

História da Educação: Período Moderno - Educação nos Séculos XVIII e XIX


 Educação nos Séculos XVIII e XIX

Os movimentos intelectuais do século XVIII foram de caráter marcadamente aristocrático. Na França, Voltaire e os enciclopedistas defendiam a idéia de que a educação devia ser reservada a um grupo restrito. Tais concepções individualistas não deixaram de exercer influência sobre as classes cultas. Voltado contra o artificialismo e a superficialidade da educação clássica, Jean-Jacques Rousseau conclamou a um retorno às coisas da natureza. Suas idéias não representavam uma simples revolta transitória contra o convencionalismo reinante, mas a expressão exata de um novo estilo de vida e de uma nova educação, que influenciaram profundamente a Europa. O seu Émile representou uma verdadeira declaração de direitos da infância. Entretanto, sua insistência na eficácia da natureza, evidenciada na teoria de que o homem nasce bom e capaz de encontrar a felicidade, se entregue a seus próprios instintos, mostrou-se muito unilateral.
Kant insurgiu-se contra tais idéias: para ele, o elemento essencial da educação era a coerção, que pela formação dos hábitos preparava o jovem para receber como princípios de conduta as leis impostas de fora. Segundo Kant, o supremo guia da vida é a lei do dever, que sempre se opõe aos impulsos da inclinação.
A revolução francesa foi a segunda fase do movimento iniciado com a Reforma. Reafirmou a preponderância dos direitos naturais, de que derivou o direito que tem toda criança de ser adequadamente preparada para a vida. O reconhecimento desse direito teve como conseqüência a criação de um sistema nacional de educação, que é a característica fundamental da história da educação da maioria dos países no século XIX.
O educador suíço Johann H. Pestalozzi foi o primeiro a defender a generalização da instrução, e a Prússia a primeira nação a pôr tais idéias em prática. Na França e no Reino Unido, só nas duas últimas décadas do século XIX o estado demonstrou interesse pela educação das classes pobres.
O sistema de instrução pública se impôs em quase toda a Europa ocidental e nos Estados Unidos, e também estendeu-se às mulheres, que até então se achavam excluídas dos programas educacionais. Entre as causas de tais modificações destacou-se a convicção de que, com a crescente distribuição do poder político, o estado tinha o direito de exigir um mínimo de conhecimento de cada cidadão. [Fonte: Estudante de Filosofia]


História da Educação: Período Moderno - Educação no Século XVII


Resumo:
  • Surge no século XVII;
  • Separação entre a igreja católica e o estado;
  • Principais pensadores: Pestalozzi, Herbat e Froebel;
  • Consolidação da burguesia.

    Duas instituições educativas, em particular, sofreram uma profunda redefinição e reorganização na Modernidade: a família e a escola, que se tornaram cada vez mais centrais na experiência formativa dos indivíduos e na própria reprodução (cultural, ideológica e profissional) da sociedade. As duas instituições chegaram a cobrir todo o arco da infância – adolescência, como “locais” destinados à formação das jovens gerações, segundo um modelo socialmente aprovado e definido.

    A família, objeto de uma retomada como núcleo de afetos e animada pelo “sentimento da infância”, que fazia cada vez mais da criança o centro-motor da vida familiar, elaborava um sistema de cuidados e de controles da mesma criança, que tendiam a conformá-la a um ideal, mas também a valorizá-la como mito, um mito de espontaneidade e de inocência, embora às vezes obscurecido por crueldade, agressividade etc. Os pais não se contentavam mais em apenas pôr filhos no mundo. A moral da época impõe que se dê a todos os filhos, não só ao primogênito, e no fim dos anos seiscentos também as filhas, uma preparação para a vida. A tarefa de assegurar tal afirmação é atribuída à escola.

    Ao lado da família, à escola: uma escola que instruía e que formava que ensinava conhecimentos, mas também comportamentos, que se articulava em torno da didática, da racionalização da aprendizagem dos diversos saberes, e em torno da disciplina, da conformação programada e das práticas repressivas (constritivas, mas por isso produtoras de novos comportamentos). Mas, sobretudo, uma escola que reorganizava suas próprias finalidades e seus meios específicos. Uma escola não mais sem graduação na qual se ensinavam as mesmas coisas a todos e segundo processos de tipo adulto, não mais caracterizada pela “promiscuidade das diversas idades” e, portanto, por uma forte incapacidade educativa, por uma rebeldia endêmica por causa da ação dos maiores sobre os menores e , ainda, marcadas pela “liberdade dos estudantes”, sem disciplina interna e externa. Com a instituição do colégio (no século XVI), porém, teve início um processo de reorganização disciplinar da escola e de racionalização e controle de ensino, através da elaboração de métodos de ensino/educação – o mais célebre foi a Ratio studiorum dos jesuítas – que fixavam um programa minucioso de estudo e de comportamento, o qual tinha ao centro a disciplina, o internato e as “classes de idade”, além da graduação do ensino/aprendizagem.

    Também é dessa época a descoberta da disciplina: uma disciplina constante e orgânica, muito diferente da violência e autoridade não respeitada. A disciplina escolar teve raízes na disciplina religiosa; era menos instrumento de exercício que de aperfeiçoamento moral e espiritual, era buscada pela sua eficácia, como condição necessária do trabalho em comum, mas também por seu valor próprio de edificação.     Enfim, a escola ritualizava o momento do exame atribuindo-lhe o papel crucial no trabalho escolar. O exame era o momento em que o sujeito era submetido ao controle máximo, mas de modo impessoal: mediante o controle do seu saber. Na realidade, o exame agia, sobretudo como instrumento disciplinar, de controle do sujeito, como instrumento de conformação. [Fonte: Só Pedagogia]
 Período Moderno